BLOG


 

Meu 1o. ano de FLIP e de Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo

Escrevo sentada na Biblioteca Central deste belo campus da UPF – Universidade de Passo Fundo. Vejo, pelas portas e janelas de vidro, um campus extremamente bem cuidado, com áreas verdes, lindas árvores e flores por todo lado. Hoje brilha o sol e temos uma temperatura bem agradável. Um alívio após os dias gelados da abertura da 15a. Jornada.

 

Vamos por partes!

 

20130703_135439_ICON

FLIP – No início de julho tive o prazer de participar de minha primeira FLIP – Festa Literária Internacional de Paraty. O cartão postal e a natureza de Paraty compõem um cenário perfeito para esse que é, sem dúvida, um de nossos eventos mais conhecidos, nacional e internacionalmente. A FLIP, desdobrada em Flipinha, FlipZona e Off FLIP e em numerosos eventos paralelos patrocinados por editoras, entidades oficiais e/ou livrarias é, sem dúvida, um dos oxigênios que impulsionam a leitura no Brasil. Frequentei mais os eventos para o público infantil e para os jovens adolescentes. Uma festa! Que bela programação! Que fácil acesso ao manuseio de livros, espalhados por toda parte e jorrando de árvores espalhadas pela praça central. As lonas de circo onde acontecem os eventos infantis e onde é acolhida uma biblioteca central acrescentam ao ar de festa que se espelha nos olhos e sorrisos de milhares de crianças trazidas ao evento pelas escolas, pelos pais, tios, avôs. Na FlipZona moderei uma mesa de discussão, com Bia Hetzel e Mariana Massarani,  sobre o Livro Digital. Este foi o primeiro ano em que essa discussão foi trazida à FLIP. Na tenda central, VI e OUVI (sim, com letras maiúsculas), as belas Cleonice Berardinelli e Maria Bethânia declamando Fernando Pessoa. Só a telepatia dos corações pode comunicar esse momento mágico!

 

foto_ICON

JORNADA NACIONAL DE LITERATURA DE PASSO FUNDO – Se a FLIP surpreende e encanta, a Jornada de Passo Fundo traz lágrimas aos olhos. Um evento que reúne diversas ‘jornadas’ em uma semana única: a 15a. Jornada de Literatura, a 7a. Jornadinha Nacional de Literatura, o 12o. Seminário Internacional de Pesquisa em Leitura e Patrimônio Cultural (que é realizado um ano no Brasil e no ano seguinte em um dos países que fazem parte da ‘Red Internacional de Universidades Lectoras’ alternadamente) em conjunto com o ‘7o. Plenário de la Red Internacional de Universidades Lectoras’, o 4o. Encontro Estadual de Escritores Gaúchos, o 3o. Seminário Internacional de Contadores de Histórias, o 2o. Simpósio Internacional de Literatura Infantil e Juvenil, o Encontro Internacional de Bibliotecários e Mediadores de Leitura, a JorNight e a Jornada UPF… ah! 28.000 (sim, VINTE E OITO MIL participantes) e mais de 100 Autores e Ilustradores. A batuta da Coordenadora Geral Tania Mariza Kuchenbecker Rösing, multiplicada em várias TaniaS, presentes em todos os recantos da Jornada (como é que ela consegue?) é forte, rígida, exata! Os eventos começam pontualmente. As cinco lonas abrigam 5.000 pessoas (a maior), e 2.000 pessoas cadas as quatro menores. Parabéns, Passo Fundo, Capital Literária do Brasil. Parabéns também por propor, já em seu convite e em toda divulgação da Jornada, uma leitura em diferentes suportes. Parabéns pela organização, pelas cores, pelas mochilas e bandanas nas crianças… pelo coração que palpita leitura.

 

O que há de errado? As crianças gostam da FLIP e da Jornada de Passo Fundo. As crianças curtem os livros. Por que é que não se lê mais no Brasil? Os números, as pesquisas o dizem. Onde está o equívoco? Como é que todo esse trabalho brilhante dos idealizadores desses e de tantos outros eventos não é refletido – ou parece não ser – no hábito de leitura?

 

Fica aí a questão que não quer calar.

CONSULTORIA EDITORIAL

blog1

EXPLICAÇÃO SOBRE O QUE É CONSULTORIA EDITORIAL
Neste mês de julho de 2013, começo, com muita alegria, uma nova fase profissional em minha vida. Quero – e vou – fazer Consultoria Editorial. O que vem a ser isso em minha cabeça? Gostaria de desenvolver Projetos pontuais, com princípio, meio e fim, e:

  1. Trabalhar com Editoras que queiram sair da ‘caixinha’ para fazer coisas diferentes, tanto no mundo do conteúdo impresso quanto no universo do conteúdo digital.
  2. Disponibilizar meus conhecimentos – ou pesquisas caso não tenha o conhecimento – para autores e editoras estrangeiras que desejam entrar no mercado brasileiro.
  3. Continuar pesquisando o mundo de Português como Língua Estrangeira, como Segunda Língua e como Língua de Herança para encontrar novos nichos para os quais possamos produzir conteúdo nas mais diversas plataformas.
  4. Analisar possibilidades e ideias para pequenas e médias Livrarias físicas e virtuais para que sobrevivam dignamente aos tempos atuais.
  5. Pesquisar mercados estratégicos nas áreas (idiomas – em especial PLE, conteúdo digital, mercado editorial brasileiro) em que atuo e oferecer consultoria nessas áreas aos vários players do mercado.

Exemplo: Fechei, com uma distribuidora brasileira (que é também editora), minha participação em Feira do Livro de Frankfurt/2013. Como foi feito isso?

  1. Briefing das necessidades e estratégias da empresa para a participação na Feira
  2. Projeto Frankfurt/2013
  3. Elaboração Agenda reuniões em Frankfurt
  4. Reuniões em Frankfurt
  5. Análise de oportunidades para a empresa durante a Feira
  6. Apresentação no auditório da CBL – Câmara Brasileira do Livro no stand em Frankfurt sobre um mercado x no qual essa editora é líder de mercado
  7. Entrega de relatório final ao proprietário da empresa em questão.

COMUNIDADE FALEPORTUGUÊS

Há mais de 18 anos ocupo-me com o mundo do ensino de Português como Língua Estrangeira, PLE, como Segunda Língua – PSL e, mais recentemente, como Língua de Herança – PLH. É um universo fantástico que, ao mesmo tempo que ensina nosso idioma, trabalha a divulgação de nossa cultura, ou melhor, de nossaS culturaS, pois falamos dos países integrantes da CPLP – Comunidade de Países de Língua Portuguesa.
Nesses anos publiquei, em co-autoria com Maria Harumi Otuki e Silvia Burim, os títulos Tudo Bem? Português para a nova geração, Bem-Vindo! A Língua Portuguesa no Mundo da Comunicação, e Panorama Brasil pelas editoras SBS e Galpão, respectivamente. Com mais de 400.000 cópias comercializadas entre os diversos componentes dos materiais, fico feliz em divulgar nosso ‘saber’ mundo a fora.
Convido-os a conhecer nossa Comunidade faleportugues.ning.com e a conhecer mais de 5.000 pessoas dedicadas ao ensino e ao aprendizado do português.